segunda-feira, 9 de julho de 2018

Turbulência politica (OE19)

O OE2019 pode ser, ou não, um problema para a estabilidade nacional, sem conhecer o teor, muito se tem especulado e entrado por caminhos ideológicos, que podem não ser viáveis e longe de ser consensuais.
O OE2019 tem não só, que fazer face, às necessidades prioritárias, como ter em conta, as fragilidades económicas e os compromissos externos, mais que as ideologias partidárias, manter a estabilidade.
A boa vontade e justiça social, por vezes não se enquadram, na realidade e possibilidades actuais, por isso alguma prudência, que requer consensos.
O optimismo constante, por vezes despropositado, de António Costa, ilude nos dois sentidos, na realidade, um meio-termo da situação, confortante, por um passado turbulento, mas com um futuro, embora com esperança renascida, incerto…
PCP e BE andam eufóricos, nas suas ideologias, sabemos todas as suas teorias, no passado souberam, ceder e impor-se, para salvar Portugal, esperemos que em consenso com o PS, consigam, mais uma vez, um caminho, não perfeito, mas de estabilidade e esperança.
Da oposição PSD e CDS, não se prevêem bons ventos, embora se veja, Rui Rio querer-se posicionar mais ao centro e aberto ao diálogo, o PSD está fragmentado, até que ponto, Rio é o Senhor do PSD…
O CDS se torna, como já referi, um partido populista instável, com o seu saudosismo, tornando-se bipolar por conveniências.
Preferível perante a situação actual e na lacuna política nacional, manter a estabilidade e tomar posições, após conhecer, todos os contornos, do OE 2019.
Sempre português
VitalBicho